Gláucia Foley – Show de lançamento do CD “Essa Moça” (26/05)

Gláucia Foley

Cantora lança o CD “Essa Moça” reunindo várias canções consagradas do samba

O Teatro Rival Petrobras apresenta no dia 26 de maio, sábado, às 19h30, o show de lançamento do CD “Essa Moça”, da cantora Gláucia Foley. O disco é uma grande celebração que reúne, em gravações e arranjos impecáveis, várias canções já consagradas, incluindo, uma gravação com o bamba do samba Nelson Sargento. As canções inéditas misturam o samba do Rio com o de Brasília, na exata medida da alma da cantora.

No repertório estão as músicas “Teatro da Vida” (Délcio Carvalho/Wanderley Monteiro); “Homenagem ao Mestre Cartola” (Nelson Sargento); “Nada Mais” (Moacyr Luz/Wanderley Monteiro); “Sinfonia Imortal” (Nelson Sargento/Agenor de Oliveira) e “Amor, dono do meu caminho” (Sereno/Moacyr Luz). O show também contempla as inéditas “Até Quando” (Sergio Magalhães); “Dança do Bastão” (Kiki Marcellos/Alexandre Chacrinha/Wagner Nascimento); “Essa Moça” (Toninho Nascimento); “Mestre de Obras” (Jaime Ernest Dias/Douglas de Oliveira) e “Volta” (Branka/Carlinhos 7 Cordas). Além das autorais: “Vila Planalto” (Gláucia Foley) e “Deixa Falar” (Gláucia Foley e Toninho Nascimento).

E “Essa moça” surgiu pelas mãos de Toninho Nascimento e ganhou interpretação de Breno Alves, um dos mais proeminentes artistas da nova geração de sambistas. A inspiração para a obra veio quando Toninho levou Glaucia Foley a quadra da Portela, em Oswaldo Cruz. Nas palavras do poeta impressas no encarte do CD: “(…) Na quadra, a moça disse no pé com a ginga elegante e graciosa de uma porta-bandeira. A moça quando canta deixa fluir dos seus olhos verdes um brilho de encantamento, e o samba se embala no mar de Minas, que só existe nos seus olhos. Essa Moça é Gláucia Foley. Vamos ouvir…”

A qualidade do CD se expressa no perfil dos arranjadores que generosamente fazem para esta obra: Rildo Hora, Paulão 7 Cordas, Fernando Brandão, Fernando Merlino e Carlinhos 7 Cordas.

Nascida na cidade mineira de Passa Quatro, foi em Brasília que Gláucia Foley se entregou ao samba. Mas a música vem desde cedo: ainda em Minas Gerais, Gláucia lembra com carinho quando o pai, Dau, decidiu abrir um bar e, antes da inauguração, num cantinho onde havia um violão, virou-se para ela e disse: “Esse canto é procê, filha”.

E há quem não saiba que a cantora é advogada. Mesmo assim, em Brasília, ela continuou ao lado do samba, cantando em várias rodas de samba e choro que se formavam na cidade. Após tornar-se juíza no Distrito Federal, casada e com um filho, ela manteve o samba correndo nas veias, até que finalmente, depois de anos de tentativas, o saudoso Evandro Barcellos convenceu-a a gravar um disco, Meu Canto, em 2010. O álbum mostrou-se um bibliográfico tributo ao samba com canções de diversas épocas, de autores consagrados, executadas por músicos do rico circuito do samba brasiliense.


Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. Informações: (21) 2240-9796. Capacidade: 400 pessoas. Metrô/VLT: Estação Cinelândia. Data: 26 de maio (Sábado). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br. Ingressos: Setor A e B – R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia). Venda antecipada pela Eventim – http://bit.ly/Ingressos2z0P23j. Bilheteria do Teatro Rival – Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 22h

*Meia entrada: Estudante, Idosos e Professores da Rede Pública